nome

senha










e-mail de destino

 Subscrever
 Remover











Informação

Escolas piloto chumbaram avaliação de professores



Conheça o teor de duas notícias publicadas na edição de 8 de Dezembro do jornal "Açoriano Oriental"

Escolas piloto "chumbaram" avaliação de professores

As equipas coordenadoras das quatro escolas dos Açores que aplicaram, em regime experimental durante o ano lectivo de 2007/2008, a proposta da Secretaria Regional da Educação para a avaliação de desempenho dos professores, atribuíram nota negativa ao novo modelo.

Na origem do "chumbo" está a dificuldade em cumprir a grelha de critérios de avaliação e o prazo para a sua execução.

O modelo de avaliação do desempenho dos professores, cuja suspensão é pedida por um número crescente de docentes que se tem manifestado nas ruas, como aconteceu ainda na passada quarta feira, foi aplicado a título experimental nas escolas Secundárias da Lagoa, Velas, Cardeal Costa Nunes (Madalena do Pico) e na Básica e Integrada da Maia, durante o ano lectivo passado.

Embora não tenha sido experimentada toda a grelha, os parâmetros aplicados e avaliados mereceram uma nota negativa, com os relatórios a apontar, por exemplo, a "desadequação do tempo atribuído na fase final do processo de avaliação", "a dificuldade de o pôr em prática em escolas com um elevado corpo docente" ou a "desadequação da grelha" de avaliação do desenvolvimento profissional.

O relatório da Secundária da Lagoa, de cujo Conselho Executivo saíu a nova Directora Regional de Educação, Fabíola Cardoso, acrescenta mesmo que"muitos dos critérios de avaliação são subjectivos", pelo que "é necessário clarificar as normas definidas no processo de avaliação dos alunos" e que "não é lícito exigir a todos os docentes", por exemplo "o desenvolvimento de projectos, como a participação em cargos escolares".

Já o relatório da Básica e Integrada da Maia destaca a "sobrecarga de trabalho para os participantes", causando "muita apreensão e preocupação aquando da sua obrigatoriedade".

Mesmo reconhecendo que a aplicação da grelha de avaliação foi feita de forma "muito simplificada", o grupo coordenador do projecto de avaliação desta escola admite que teve "muitas dúvidas na sua aplicação" e que a falta "de objectividade e precisão dos parâmetros a avaliar", levou a que os avaliadores atribuíssem notas máximas no processo de autoavaliação e "à maioria dos itens da grelha de observação das aulas".

O grupo de análise lança mesmo algumas perguntas à Direcção Regional de Educação na análise às três partes que compõem a grelha de avaliação.

Nas perguntas formuladas podem ler-se questões como "o que são materiais pedagógicos de qualidade ou metodologias inovadoras", "o que são faltas equiparadas e não equiparadas" ou "competências de leccionação".

A grelha de avaliação do desempenho de professores foi elaborada pela Universidade católica e consta de um formulário com três partes.

A parte A, a preencher pelo coordenador do departamento curricular e que avalia o docente nas vertentes científica e pedagógica, incluindo a sua relação com os alunos e com o meio escolar em geral; a parte B a preencher pelo Conselho Executivo avalia a assiduidade e as competências de leccionação, nomeadamente relacionando-as com os resultados escolares dos alunos e finalmente, a parte C, a preencher pelo observador designado para a observação de aulas.

O professor observador terá de fazer a avaliação dos conhecimentos científicos e didácticos, das estratégias de promoção de aprendizagem, da plasticidade do professor, do planeamento evidenciado e dos critérios de avaliação dos alunos na sala de aula. ||



Secretária da Educação promete serenar professores

O diploma que vai alterar o modelo de avaliação do desempenho dos professores, que está a ser elaborado pela nova equipa da educação, tem por base a auscultação feita aos professores das escolas que implementaram a título experimental o modelo de avaliação bem como a opinião dos sindicatos.

Em entrevista à Rádio Açores TSF e Jornal Açoriano Oriental, a secretária regional da Educação e Formação, Maria Lina Mendes, garantiu que "há muito que tem uma opinião sobre este assunto" e que a breve trecho irá apresentar alterações no que respeita "aos prazos e grelhas " do modelo de avaliação.

"Mesmo antes de ser secretária sabia que há arestas para limar e elas serão limadas", embora "a suspensão não seja admissível", "pois criaria um vazio".

Maria Lina Mendes, enquanto quadro da Direcção Regional de Educação participou em várias reuniões com os conselhos executivos e nunca escondeu a sua inclinação para alterar alguns aspectos.

"Resta saber se serão os que nós estamos à espera", diz um dirigente dum Conselho Executivo, que recomenda "serenidade" em todo este processo.

Embora existam muitos docentes a defender a suspensão de todo o processo, a verdade é que, oficialmente, nenhuma escola do arquipélago decidiu, ainda, o que vai fazer. Se há quem pense que "seria bom a suspensão este ano", mas "decretada a nível regional", para garantir a equidade das escolas, outros há que defendem que deve ser dada liberdade para que cada conselho executivo possa trabalhar apenas os itens para os quais sinta que tem capacidade. Até porque, tal como está "não é exequível", garantem os próprios relatórios das escolas que já experimentaram o sistema

Em Fevereiro começam os concursos. Contratados e Quadros de Zona Pedagógica vão precisar de avaliação. Com a actual grelha ou com outra qualquer. Até para a progressão na carreira. A menos que a avaliação venha a ser suspensa neste ano lectivo.||

Textos de Carmo Rodeia, in Açoriano Oriental, de 8 de Dezembro de 2008



Imprimir Noticia   
A- | A+


































Copyright © 2002-2008 | Sindicato Democrático dos Professores dos Açores | Todos os direitos reservados
Avisos Legais e Política de Privacidade | Envie um e-mail para sede@sdpa.pt com as suas questões ou comentários
Design: Pedro Ventura | Web Development: Anfibios, Lda